Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2006

CRÓNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA


Tiraram-nos o galheteiro, o adereço mais tipico que ornamentava as mesas dos nossos restaurantes. Ainda não vi, mas ao que parece, foi substituído por uma daquelas embalagens incaracterísticas, hermeticamente fechadas e invioláveis. Dizem eles que é por razões de higiene e para protecção dos interesses do consumidor que, durante o reinado do galheteiro, nunca poderia ter garantias sobre a qualidade do produto que estava dentro da galheta, enquanto que agora terá direito a um rótulo no qual constarão todos os esclarecimentos sobre o conteúdo da dita embalagem. Isto é o que eles dizem, mas provoca uma certa tristeza ver partir o galheteiro, sobretudo porque deixa de haver aquele sentimento de partilha que ainda prevalecia em certos restaurantes de bairro, nos quais não havia galheteiros para todas as mesas. É isso meus amigos, acabou-se aquelo gesto de cortesia e de sã convivência quando estendíamos o braço para a mesa do lado e solicitávamos Pode passar-me o galheteiro, por favor? Em vez disso, vamos ficar embasbacados frente a um rótulo, lendo, entre duas garfadas de bacalhau com grão, que estamos consumindo azeite embalado por TAL & TAL, com um grau de acidez que não ultrapassa 0,TAL%, produto da melhor azeitona da região TAL e que, de preferência, deveremos consumir o produto antes da data TAL. Pode ser higiénico, moderno, esclarecedor e certamente estará de acordo com as normas comunitárias, mas, em todo o caso, é com alguma nostalgia que vejo partir o galheteiro.



publicado por mmfmatos às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2006

ACABARAM AS FESTAS

Olá pessoal, voltei. O PACIENTE PORTUGUÊS deu à costa. Está exausto, derreado, arruinado, mas lá conseguiu sobreviver a mais uma Quadra Natalícia. Felizmente tudo voltou à normalidade.
Que bom, que sensação de conforto, acabou a euforia, acabou o martírio das compras, os beijinhos, os abraços e as frases mil vezes repetidas, ano após ano, Feliz Natal, Feliz Ano Novo . Que alívio!!!!! Felizmente que só há Festas Felizes uma vez no ano. Em todo o caso, não quis deixar de partilhar convosco as fotos que tirei no meu exílio forçado em prol da inevitável reunião familiar natalícia.




Sementes da eternamente luxuriante palmeira


Hibisco meio-alegre, meio-triste


Hibisco deprimido


Romã atingida por senilidade precoce

P.S. Ainda não tive tempo de fazer a habitual ronda pelos vossos blogues para actualizar a leitura daquilo que produziram durante a minha ausência, mas não deixarei de o fazer o mais rapidamente possível.

publicado por mmfmatos às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.Leva-me contigo que eu trato-te da saúde

">

.posts recentes

. QUEM DISSE QUE O OUTONO E...

. SÃO ROSAS SENHOR

. É MESMO UM TRONCO DE ÁRVO...

. AS APARÊNCIAS ILUDEM

. QUE NUVEM!

. ECLIPSE DA LUA

. ECLIPSE DA LUA - HOJE

. HÁ MAR E MAR, HÁ IR E VOL...

. VISITA AO OCEANÁRIO

. AINDA A TLEBS

.arquivos

. Novembro 2008

. Fevereiro 2008

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005