Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005

AINDA A CAMPANHA ALEGRE

castelopm 002.jpg

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA CÂMARA DE PORTO DE MÓS

Ó Dr. João Salgueiro, no dia que se seguiu às eleições autárquicas vi num canal televisivo o senhor todo lépido e eufórico e tinha razão para isso pois conseguiu ganhar a Câmara para a qual se candidatou. Até aí tudo bem, mas que ideia foi aquela de ir a pé a Fátima para agradecer à Virgem o facto de ter sido eleito? Francamente, tramar o seu opositor com os favores da Santa, essa não! Foi uma concorrência desleal. O Dr. José Ferreira, creio que é esse o nome do Presidente cessante, certamente não tem o seu fôlego e a sua energia para poder peregrinar até Fátima e o senhor, servindo-se da sua pujança física, prega-lhe uma partida destas! Bem sei que, melhor do que qualquer cartaz turístico, a sua presença frente às câmaras da televisão rodeado por um magote de jovens empunhando bandeiras numa alegre romaria (já que o apoiaram na campanha, é louvável que o acompanhem também no cumprimento da promessa) deu à vila de Porto de Mós alguma notoriedade, pelo menos deu-se a conhecer ao país inteiro e os mais curiosos até terão consultado o mapa de Portugal para saberem onde fica essa vila que elegeu um autarca que ainda acredita em milagres. No entanto, na minha modesta opinião, isso de ir a Fátima a pé já é muito corriqueiro, melhor seria ter prometido à Santa uma vela com a altura do castelo. Porto de Mós até poderia entrar para o Guiness com a maior vela fabricada até hoje.

CARTA ABERTA A NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Veneranda Senhora, perdoai o atrevimento, mas que ideia é essa de andar a favorecer os políticos? Tal como o Presidente da República, a Padroeira de todos nós tem de estar acima dos partidos e não pode distribuir benesses mesmo que só vos prometam uma inocente passeata até ao Santuário a que presidis. Longe de mim tentar imiscuir-me nos altos desígnios que vos estão confiados e imagino o quão difícil será resistir aos inúmeros pedidos e à catadupa de preces que vos chegam todos os dias neste país onde o desnorte se sobrepõe ao bom senso, mas em todo o caso é preciso separar o trigo do joio. Ceguinhos, paralíticos, mães aflitas e outros seres desesperados eu compreendo que mereçam a vossa atenção, mas os políticos não, deixai-os entregues à sua sorte e quando vos pedirem alguma coisa, fazei orelhas moucas (perdoai-me a vulgaridade da expressão) porque eles não são de confiança, prometem, prometem e nunca cumprem, pelo menos connosco não cumprem nada. Como não pertenço a qualquer partido político, atrevo-me a enviar-vos daqui o meu pedido - livrai-nos desta cambada toda. Não foi o vosso Divino Filho que correu com os vendilhões do Templo à paulada? Veneranda Senhora, posso garantir-vos que estes não merecem melhor sorte. Embora ninguém tenha delegado em mim esta função, creio ser porta-voz de grande parte da população portuguesa que nesta altura já não sabe bem onde é que embarcou - se foi na Barca da Glória ou na Barca do Inferno (perdoai-me esta figura de retórica, mas não pude deixar de recordar o nosso mestre Gil Vicente que se vivesse agora entre nós, teria muita matéria inspiradora para a escrita dos seus Autos). Veneranda Senhora, não quero ocupar mais o vosso precioso tempo e garanto que só me ocorreu dirigir-vos esta missiva porque fiquei preocupada com a notícia sobre o favorecimento a um dos nossos autarcas que está sendo atribuído à vossa Divina Graça. Estou em crer que tudo isto não passa de um enorme e grosseiro equívoco e que o Dr. João Salgueiro terá ganho a Câmara de Porto de Mós, não por vosso intermédio, mas porque os munícipes estavam fartos de ver a mesma cara há tantos anos e, além disso, porque a vila já não comportava mais rotundas. Por outro lado, o actual autarca arranjou forma de ser visto na televisão o que não deixa de ser um verdadeiro milagre.

CONCLUSÃO - D.FUAS ROUPINHO, O VEADO E O MILAGRE

Para os que não sabem, Porto de Mós é uma vila situada no distrito de Leiria, onde no século XII terá sido alcaide-mor D.Fuas Roupinho o tal que andou numa desvairada cavalgada atrás de um veado, o qual era afinal uma transmutação do Diabo que, vá-se lá saber por quê, queria atirar o pobre do D.Fuas de um penhasco abaixo ( posso avançar com uma teoria que é mera especulação: Tal como os desígnios de Deus, os desígnios do Diabo também são insondáveis, mas, apesar da má fama que este tem, não devia andar muito agradado com a razia que os cristãos andavam a fazer entre os mouros e, ainda por cima, o nosso amigo D.Fuas terá ganho o seu lugar de alcaide-mor precisamente à custa de muito sangue mouro derramado nas redondezas do castelo de Porto de Mós). Reza a lenda que a cavalgada só terá terminado no chamado Sítio da Nazaré que, segundo penso, todos conhecem, pelo menos de nome. D.Fuas Roupinho estava mesmo à beira do precipício, mas valeu-lhe Nossa Senhora que, pelos vistos, nesses tempos longínquos habitava aquelas paragens. Só muito mais tarde se mudou para Fátima como todos sabem. Com a Santa pairando no ar e as águas revoltas lá no fundo, o cavalo com as patas dianteiras levantadas e já suspensas no vácuo, fincou as patas traseiras no penhasco e prodigiosamente equilibrou-se, salvando-se a ele e ao cavaleiro que o montava. Para os mais cépticos, basta aproveitarem o fim-de-semana para uma visita ao Sítio da Nazaré e observarem com os próprios olhos a marca de um dos cascos do cavalo no empedrado à beira do precipício que agora já está devidamente resguardado, não venha de lá outro veado com malévolas intenções. Sim, porque com tantas promessas e tantas peregrinações, a Nossa Senhora agora já não pode arredar pé de Fátima, cada um que se cuide.
publicado por mmfmatos às 23:33
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Anónimo a 18 de Outubro de 2005 às 11:37
Na verdade é como eu digo na postagem do surrealismo, é isso mesmo a nossa politica é uma coisa fora do normal, eu hoje quase desisti de viver aqui, como viver feliz no meu país, que me está sempre a lixar, ontem foi as reformas, o meu marido tem 40 anos de descontos pensava mais uns anitos ir descansar, ou trabalhar menos, sonho o dele.Talvez vá a Fatima para ela fazer com que as reformas, não sejam penalizadas.
Me desculpe o desabafo.
Bj.
AldoraAldora
(http://gatinhosvoadores.blogspot.com/)
(mailto:aldoramira@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 21:19
Demais,gostei muito.A carta à Srª de Fátima está divinal.Gostei também de reler a lenda de D.Fuas,ouvia-a várias vezes em crianças.
Beijinhoskaldinhas
(http://kaldinhas1.blogs.sapo.pt/)
(mailto:kaldinhas@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 16:35
Melhor que isto, só mesmo feito por mim...rs......Conclusão: Está demais !!!!
Bjsdocerebelde
(http://docerebelde.blogs.sapo.pt)
(mailto:docerebelde59@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 14:21
Simplesmente espectacular! Um abraço...Carlos.Carlos Afonso
(http://carlosacafonso.blogs.sapo.pt)
(mailto:carlosacafonso@hotmail.com)


De Anónimo a 17 de Outubro de 2005 às 02:04
Existe uma quadra (penso eu) de Alves Redol onde é posta em causa a fé dos padres que se socorrem de pára-raios para protecção das igrejas. Agora são os políticos que, ao perderem a “fé” em si próprios, se vêem forçados a recorrer à Santa.
Mas do que mais gosto é o modo como transformas “serapilheira” em seda fina. Há pessoas que conseguem falar (escrever) de “tudo” com a mesma “delicadeza” com que escrevem uma história de amor.
Bom início de semana.
P.S. E não comento futebol. ;-) ;-) ;-).


José S.
(http://ruadobeco.blogs.sapo.pt)
(mailto:jgjs2@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Outubro de 2005 às 19:55
Subscrevo a carta à Senhora de Fátima... para esse político e para muitos outros! :) Beijos
lique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:alice.semaravilhas@gmail.com)


De Anónimo a 16 de Outubro de 2005 às 12:43
Espero que tenha razão no comentário que fez no meu blog! A Espanha não quer outro país Basco. Mas teriamos nós garra para lutar pela nossa identidade? Duvido! Estamos completamente amorfos!padeiradealjubarrota@sapo.pt
(http://www.padeiradealjubarrota.blogs.sapo.pt)
(mailto:www.padeiradealjubarrota@sapo.pt)


De Anónimo a 15 de Outubro de 2005 às 23:08
Adorei a carta aberta à Nossa Senhora de Fátima , mas já não basta os do futebol, temos agora os políticos? Porto de Mós até que não é assim tão longe...Gostei muitoMaria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:msantosilva@sapo.pt)


De Anónimo a 15 de Outubro de 2005 às 14:49
Depois da promiscuidade entre futebol e politica só falta entre religião e politica. Parabens pelo post. Brilhante.kruzeskanhoto
(http://kruzeskanhoto.blogs.sapo.pt/)
(mailto:kruzeskanhoto@sapo.pt)


Comentar post

.Leva-me contigo que eu trato-te da saúde

">

.posts recentes

. QUEM DISSE QUE O OUTONO E...

. SÃO ROSAS SENHOR

. É MESMO UM TRONCO DE ÁRVO...

. AS APARÊNCIAS ILUDEM

. QUE NUVEM!

. ECLIPSE DA LUA

. ECLIPSE DA LUA - HOJE

. HÁ MAR E MAR, HÁ IR E VOL...

. VISITA AO OCEANÁRIO

. AINDA A TLEBS

.arquivos

. Novembro 2008

. Fevereiro 2008

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005